Barril a US$ 300, gasolina a R$ 15? Preço do petróleo assusta o mundo


O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou nessa terça-feira (8/3) o banimento das importações de petróleo russo no país, como mais uma medida para impactar a economia da Rússia devido à guerra na Ucrânia.


Em seu pronunciamento, Biden admitiu que a atitude pode elevar os preços dos barris em todo o mundo: “Entendemos que a guerra de Putin está elevando os preços, mas isso não é desculpa para que as empresas os elevem sobremaneira”, concluiu.


O petróleo já chegou aos US$ 130 o barril, e a previsão é de que siga subindo – até quanto, ninguém se arrisca a dizer.


O vice-primeiro-ministro da Rússia, Alexander Novak, foi o único a chutar um valor, quando alertava para os efeitos de uma eventual decisão dos EUA de parar de comprar o petróleo russo, um dia antes de a medida ser efetivamente anunciada por Biden. Ao afirmar que a sanção teria “consequências catastróficas para o mercado global”, Novak previu a alta do barril de petróleo para até US$ 300.


Se o preço do barril efetivamente mais do que dobrar, e os custos forem integralmente repassados aos consumidores no mundo, a perspectiva é de uma escalada inflacionária assustadora. No Brasil, a gasolina poderia, por exemplo, ultrapassar os R$ 15 o litro.

Tudo então dependerá de como o mundo tentará contornar o boicote à produção russa, segundo maior exportador do produto no planeta, atrás apenas da Arábia Saudita.


Os EUA, antevendo a dimensão do problema, já se mexem. Foram bater às portas do velho rival, o chavista Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, para tentar isolar a Rússia e garantir nova fonte de suprimento do petróleo.

 

18 visualizações0 comentário