top of page

Codevasf e UFG firmam termo de cooperação técnica para diagnóstico de espécies do rio Araguaia


A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), em parceria com a Universidade Federal de Goiás (UFG), está implementando o Projeto Araguaia Fish. O termo de cooperação técnica firmado entre as duas instituições prevê obtenção de informações sobre a ictiofauna do rio Araguaia; coleta de reprodutores e matrizes com fins de criação e manutenção de banco genético de espécies nativas; reprodução em cativeiro e posterior devolução ao ambiente natural como medida de educação ambiental.

A primeira fase contemplará a aplicação de questionários semiestruturados junto a pescadores dos municípios goianos de Aruanã, Luiz Alves, Bandeirantes, Baliza e Aragarças. O objetivo é entender as dificuldades da atividade, questões sociais, econômicas e ambientais, além de levantar as espécies de peixes que podem estar em risco.

“Os melhores conhecedores do rio Araguaia e seus peixes são os pescadores artesanais. Então, buscaremos, com eles, informações para nortear as ações do projeto”, explica o engenheiro de pesca Dhiego Gibson, da equipe de apoio da Superintendência Regional da Codevasf em Goiás.

Essa primeira etapa será coordenada pela professora doutora Fernanda de Paula, da UFG. “O rio Araguaia é um patrimônio natural que muito agrega ao estado de Goiás. Portanto, todas as ações que visem a conservá-lo são muito importantes. O projeto Araguaia Fish objetiva caracterizar a pesca na região do médio Araguaia para, com base nas informações levantadas, direcionar ações efetivas para a revitalização do rio de maneira a resultar em melhorias sociais, econômicas e, especialmente, ambientais”, afirma.

Após a aplicação do questionário, será construído um diagnóstico socioeconômico e ambiental da pesca e serão identificadas espécies de peixes que apresentaram diminuição em suas capturas nos últimos anos. Concluída a fase diagnóstica, serão iniciadas ações de prospecção pesqueira, com a pesca de reprodutores e matrizes que serão transportados para a estação de aquicultura da UFG em Goiânia. No local, os peixes serão manejados para reprodução e, posteriormente, devolvidos ao ambiente natural.

O superintendente regional da Codevasf em Goiás, Abelardo Vaz Filho, destaca que a Companhia, como empresa de desenvolvimento regional, vem conduzindo, no estado, ações de recuperações de nascentes, construções de pontes para escoamento da produção, entrega de equipamentos e apoio aos arranjos produtivos locais. “Agora, com esse projeto em parceria com a UFG, serão obtidas informações precisas daqueles que vivem do rio Araguaia, para desenvolver ações de repovoamento de espécies ameaçadas, promovendo uma melhora de vida dos pescadores e do turismo de pesca”, completa.

Comments


bottom of page