Coluna: Bolsonaro visitará Washington no meio de um tiroteio.

rédito da imagem: Gazeta do Povo

O presidente Bolsonaro viaja para os Estados Unidos no próximo dia 19, terça-feira.  No seu périplo, na viagem de volta, vai fazer visita oficial ao Chile.  Não foi divulgado, ainda, a agenda do presidente em Washington e nem tão pouco em Santiago.  O Palácio do Planalto divulga ainda que o presidente da República fará visita a Israel, ainda neste mês.  A importância dos Estados Unidos para o Brasil dispensa comentários. Aquele país ocupa primeiro lugar na formação do PIB do mundo, respondendo com cerca de 25% ou 1/4 de tudo que o mundo produz. O presidente Bolsonaro vai se encontrar com o presidente Trump, este último no meio de uma crise política, armada por ele próprio, na insistência de construção de muro na fronteira com o México.  A popularidade do presidente Trump está abaixo de 40% de aprovação. No próximo ano, o presidente Trump vai tentar a reeleição, no meio de tiroteio com os Democratas capitaneada pela deputada Nancy Pelosi.   O Brasil não está bem na fotografia com os Estados Unidos. A última agenda oficial programada e agendada, a visita da presidente Dilma Rousseff ao Washington, foi cancelada, na última hora, sem nenhuma justificativa plausível.  Por estas e outras, os Estados Unidos tem o Brasil como país de segunda categoria.  Os principais parceiros comerciais dos Estados Unidos são a China e a União Europeia e não o Brasil.  Na geopolítica, o Brasil é considerado parte do quintal dos Estados Unidos. Dentro deste contexto que o presidente Bolsonaro vai fazer visita oficial ao presidente Trump. No front interno, o presidente Bolsonaro está vacilante na nomeação do novo embaixador nos Estados Unidos. Em todos os governos que antecederam ao do presidente atual, a nomeação do Embaixador do Brasil nos Estados Unidos foi a primeira providência, até em deferência àquele país por ser a maior potência comercial e militar do planeta. No entanto, há uma briga nos bastidores do Itamaraty. O atual ministro de Relações Exteriores, que não é Embaixador de primeira linha, pois o Ernesto Araújo, o chefe do Itamaraty, nunca ocupou uma Embaixada.  Ernesto Araújo foi indicação do escritor neo-brasilianista Olavo de Carvalho. Isto todo mundo sabe.  A grande imprensa destaca a disputa pela indicação do novo embaixador  brasileiro em Washington. Por um lado o candidato do escritor Olavo de Carvalho, o Forster Júnior, e por outro lado nome do cientista político Murillo de Aragão, preferido do ministro da Economia Paulo Guedes.  Presidente Bolsonaro encontra-se no meio de tiroteio entre o grupo do escritor Olavo de Carvalho e a ala mais ortodoxa liberal do ministro da economia Paulo Guedes.  Como sempre, o Brasil fica discutindo picuinhas, enquanto deveria se impor como potência mundial, com 5ª posição em extensão territorial, 6ª posição em população e 8ª posição em PIB.  Chegou a hora de presidente Bolsonaro se portar como “estadista” e nomear o nome de preferência dele próprio.   Bolsonaro visitará Washington no meio de um tiroteio.  Ossami Sakamori

#bahiainforma #ColunaBolsonarovisitaráWashingtonnomeiodeumtiroteio #REDELSP

2 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Receba nossas atualizações

  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco

© 2019 Bahia Informa- O site que mais cresce na Bahia. #REDELSP